Chevrolet Omega 3.0 Diamond (Série Especial) 1994/1994 Preto

Anúncio #10

MECÂNICA E SEGURANÇA
COMBUSTÍVEL: GasolinaMOTOR: 3.0 M.P.F.I.POTÊNCIA: 165CVVELOCIDADE MÁXIMA: 220Km/hCÂMBIO: Manual - 5 Velocidades TRAÇÃO: TraseiraACELERAÇÃO 0-100KM/H: 9,5 segundosFREIOS: Disco nas 4 RodasRODAS: Liga Leve R15DIREÇÃO HIDRÁULICA: Sim

OBSERVAÇÕES
Chevrolet Omega 3.0 Diamond (Série Especial) 1994/1994 Preto , sem detalhes. Veículo lacrado!
Carro com ar condicionado, vidros elétricos, computador de bordo, Check Control, espelhos elétricos,
Possui manual e chave reserva!
Motor 3.0 M.P.F.I. de 6 Cilindros em linha com 165 cv a 5800 rpm e 23,5 kgfm de torque a 4200 rpm

Em abril de 1993 chegava a Suprema. Baseada no sedã, tinha personalidade própria e características jamais encontradas em outros modelos da categoria. Podia levar 540 litros de bagagem tranqüilamente. A tração também traseira e a suspensão contava com um sistema de nivelamento pneumático constante que deixava a traseira da perua sempre na altura correta, não importando a quantidade de carga no seu porta-malas. As famílias agradeceram. Ainda neste ano outra surpresa. A GM resolveu equipar o Omega com uma motorização a álcool. Decisão acertada, o Chevrolet passou a ser o carro de 4 cilindros, 8 válvulas e 2,0 litros mais potente do mundo! Eram 130 cv para impulsionar o modelo a contento. Infelizmente não teve a repercussão desejada, embora hoje, no mercado de usados, seja jóia rara. Feliz aquele que acreditou e comprou o seu... No ano seguinte, 1994, o Omega ganhava uma versão mais despojada. Tratava-se da GL, que era baseada na mesma mecânica do GLS. É até difícil ver um hoje em dia. Surgiu também uma versão especial denominada Diamond. Tinha acabamento GLS, mas com o motor de 3,0 litros. Neste mesmo ano o Omega sofria uma reestilização completa na Europa. Mais torque Em 1995 o motor de 2,0 litros recebia modificações objetivando aumento no torque, que era de 17,3 m.kgf. Agora a cilindrada subia para 2,2 litros com o aumento do curso dos pistões. A potência continuava inalterada e o torque subia para 20,1 m.kgf a apenas 2.800 rpm. Infelizmente o motor ficou mais áspero graças ao aumento insignificante do comprimento da biela. Já o 3,0 litros foi aposentado de vez. Isso porque na Europa o Omega de nova geração passava a utilizar um motor em "V". Assim a GM aproveitou e ressuscitou um velho conhecido nosso: o propulsor 4,1 litros do Opala. Com a ajuda dos engenheiros da Lotus, as peças tiveram o peso reduzido, o cabeçote recebeu dutos de admissão individuais e a injeção eletrônica entrou em cena. Com isso o novo propulsor passou a desenvolver 168 cv de potência, apenas 3 cv a mais que o motor original. O torque ficou em bons 29,1 m.kgf a 3.500 rpm. O fim de um ícone Em 1996 uma bomba: foi decretado o fim da perua Suprema. O Brasil ficou sem um veículo familiar na categoria. Parece que, com a chegada do utilitário Blazer, as próprias concessionárias pediram o fim da perua com medo da tão temida "canibalização". Uma pena. Não perceberam que existem compradores que não trocariam um carro familiar seguro e eficiente, sem concorrentes nacionais à altura, por um utilitário esportivo que atende a outro segmento. Aceito proposta para pagamento à vista.

Valor: R$ 29.000,00

Contato:
Paulo Ricardo
54 99183-2960
pauloricardocad@yahoo.com.br